home do ZAP Carros | Carros Usados, Novos e Seminovos

Veja como levar seus pets com segurança no carro

Categorias: ACESSÓRIOS E EQUIPAMENTOS, TODAS AS NOTÍCIAS, trânsito

Bichos de estimação fazem parte da família e, com o início das férias escolares, não ficam de fora dos passeios. Mas é preciso tomar cuidados ao transportá-los no veículo. Muita gente leva os mascotes soltos ou no colo, algumas vezes até com o focinho para fora da janela.

Animais soltos podem se empolgar ou se assustar, atrapalhando o motorista e até saltando para fora do carro. Em freadas bruscas, há o risco de eles serem arremessados, machucando-se e ferindo os passageiros.

Fique por dentro de outras novidades! Acesse a nossa página no facebook: https://www.facebook.com/zapcarros

O Código Nacional de Trânsito proíbe o motorista de levar animais à sua esquerda, no colo ou em partes externas do carro, como teto e caçamba. E viajar com a cabeça para fora pode causar problemas de saúde. “O vento na cara predispõe o bicho a otites, conjuntivites e infecções respiratórias”, alerta o médico veterinário Marcio Waldman.

No mercado há acessórios apropriados para levar os animais com segurança. Os mais conhecidos são as caixas de contenção, que devem ser acomodadas no banco traseiro.

Embora pareçam jaulas, os bichos se acostumam e não sentem desconforto - a maioria até dorme. Mas é importante escolher um modelo adequado. “Deve haver espaço para o ‘pet’ poder ficar de pé e girar 360 graus”, explica Elaine Ramos, da loja Espaço Pet. “Se for menor, limita os movimentos e se torna incômoda. Se for muito grande, não protege o animal em freadas.”

Conforme o porte do bicho e o tamanho do veículo, existem opções mais adequadas (veja abaixo). O professor Rodney Nascimento, por exemplo, leva suas Schnauzers, Layla e Lyla, em cintas próprias para cães.

Rodney Nascimento leva suas Schnauzers, Layla e Lyla, em cintas próprias para cães (Fotos: Werther Santana e Márcio Fernandes)

Rodney Nascimento leva suas Schnauzers, Layla e Lyla, em cintas próprias para cães (Fotos: Werther Santana e Márcio Fernandes)

NA ESTRADA

Viagens exigem outras providências. Se os bichos estiverem com o estômago cheio, ficarão mais propensos a enjoos. “Jejum de duas a três horas antes da partida resolve em 80% dos casos”, explica Waldman, que também recomenda restringir o consumo de água. “Durante a viagem, o cão deve beber pouco. Ele pode lamber gelo para se hidratar”, sugere o veterinário.

Fabrício Ternes coloca o cão na caixa de contenção

Fabrício Ternes coloca o cão na caixa de contenção

O representante comercial Fabrício Ternes costuma viajar de São Paulo a Florianópolis com seu cão da raça Beagle, Eugênio. Ele dá algumas gotas de Dramin ao mascote. Para Waldman, esse tipo de solução deve ser prescrita por um médico. “Não recomendo a automedicação. O animal pode ter até problema cardiorrespiratório”.

É importante fazer paradas a cada duas horas, para que o “pet” possa sair do carro e se recuperar do desgaste da viagem.

CONFIRA AS OPÇÕES

Caixa de contenção - Como ocupa muito espaço, não é adequada para animais grandes. Deve ter trava de segurança, alça para transporte e grades internas para separar o bicho do assoalho, evitando que ele se molhe ao urinar.

Bolsa de tecido - Cabe em espaços menores. Tem dupla função: basta abrir o zíper e dobrar a aba para dentro que ela vira uma casinha. Por ser difícil de limpar, é pouco indicada para levar os que enjoam. Ideal para gatos.

Cadeirinha - Espécie de cercadinho de lona, prende-se a um suporte parecido com os das cadeiras de bebês, instalado no banco traseiro. Boa para cães de pequeno e médio portes, que pesem até 12 quilos.

Cinta - Guia que prende o bicho pelo peito, com uma fivela acoplada ao cinto de segurança do carro. Além de ocupar pouco espaço, o pet não fica confinado. Barata, pode ser usada até por cães de grande porte.

LEIA MAIS:

Faça a revisão do carro antes da viagem de férias


Motorista terá que reconhecer firma para transferir multa, a partir de julho

Categorias: Multas e IPVA, TODAS AS NOTÍCIAS

A partir de julho, quem quiser transferir pontos de multas de uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH) para outra terá de ir a um cartório ou órgão de trânsito reconhecer assinaturas, tanto para se livrar da pontuação quanto para recebê-la. A mudança foi determinada por resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) em 2010, mas só agora foi definida a data de início. O objetivo é aumentar o controle sobre a operação e reduzir o número de fraudes.

Motoristas terão que (Foto: Ayrton Vignola AE-8/8/2011)

Motoristas terão que (Foto: Ayrton Vignola AE-8/8/2011)

A medida também dá a opção de dono do veículo e motorista infrator assinarem o formulário de identificação do condutor na frente de um funcionário do Departamento

Estadual de Trânsito do Estado de São Paulo (Detran-SP) ou do Departamento de Operação do Sistema Viário(DSV), da Prefeitura. Hoje, quando o condutor do carro não é identificado no momento da infração, a multa é enviada para o dono do veículo. Ele também recebe um formulário para poder indicar quem estava dirigindo o carro no momento da multa. O formulário deve ser assinado pelo dono do carro e pelo motorista e ter a cópia da CNH do infrator. Depois, basta enviá-lo pelo correio ou entrega-lo diretamente no Detran ou DSV.

Segundo especialistas, o sistema atual abre espaço para fraudes. Por dia, a Polícia Civil instaura três inquéritos para apurar esse tipo de crime no Estado de São Paulo. Segundo o delegado José Sampaio Lopes Filho, a 2.ª Delegacia de Crimes de Trânsito (DCT) investiga cerca de 3 mil casos de falsidade ideológica, como são registradas essas ocorrências.

A polícia investiga o envolvimento de despachantes, autoescolas e servidores públicos nas fraudes. Em alguns casos, as vítimas tiveram as carteiras de habilitação furtadas ou falsificadas, já que uma cópia do documento tem de estar junto ao formulário de indicação do condutor. “A maioria dos casos envolve motoristas que recebem dinheiro para assumir os pontos em sua carteira”, diz Lopes Filho.

INFORMAÇÃO - O delegado diz que os órgãos de trânsito demoram para comunicar os casos suspeitos de fraude. ?O Detran leva até seis meses para nos informar sobre esses casos. Isso prejudica a investigação, mas a maior prejudicada é a vítima que teve a carteira usada indevidamente para a colocação de pontos.? Além da mudança no procedimento de assinatura do formulário, a Resolução 363 do Contran determina que os sistemas de informática dos órgãos sejam aprimorados para identificar os fraudadores.

O Detran informou que ?avalia internamente os ajustes técnicos necessários para atender a resolução? e que, com o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), ?discute o aperfeiçoamento do texto para preservar os interesses do cidadão?. De janeiro a novembro de 2011, foram aplicadas 8.669.365 multas na capital paulista, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). As autuações foram feitas por agentes da CET, policiais militares e equipamentos eletrônicos. Desse total, 1.559.161 motoristas solicitaram a transferência de pontos para a carteira de outra pessoa, apontada por eles como a condutora de seus carros. O Detran não informou quantos pedidos de transferências de multas foram feitas para o órgão estadual em 2011.

CARTÓRIO - O reconhecimento de firma está entre os serviços de cartório que tiveram preço reajustado no último dia 6. O preço para um funcionário atestar a assinatura passou de R$ 9 para R$ 10. Para fazer o reconhecimento de firma por autenticidade, tanto o dono do carro quanto o suposto motorista infrator terão de apresentar documentos para o funcionário do cartório escolhido e assinar o formulário de identificação recebido pelo Detran ou DSV na frente dele. Depois desse processo, os dois motoristas deixam suas assinaturas no livro de comparecimento do cartório, no qual fica atestado que os dois realmente estiveram na presença do funcionário.

LEIA MAIS:

Guia para pagar IPVA atrasado já está disponível na internet

SERVIÇO: Encontre as informações que precisa para cuidar de seu veículo


Confira o calendário de pagamento do IPVA 2012

Categorias: Multas e IPVA, TODAS AS NOTÍCIAS, caminhões

A Secretaria da Fazenda de São Paulo divulgou esta semana o calendário de pagamento do IPVA 2012. (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores). Os contribuintes podem pagar a taxa em cota única no mês de janeiro, com desconto de 3%, ou parcelar o tributo em três vezes (nos meses de janeiro, fevereiro e março), de acordo com o final da placa do veículo. Também é possível quitar o imposto no mês de fevereiro, sem desconto.

As datas de pagamento do IPVA foram publicadas no Diário Oficial do Estado, no último dia 12.  De acordo com a medida, o desconto de 3% será concedido também aos donos de veículos novos, desde que o IPVA seja pago integralmente até o quinto dia útil após a data de emissão da nota fiscal de compra.

O seguro obrigatório deve ser recolhido junto com a primeira parcela do imposto (para quem dividir o pagamento) ou juntamente com a cota única.  A Secretaria da Fazenda deverá enviar os avisos de vencimento do IPVA a partir da segunda quinzena do mês de dezembro. O comunicado será apenas um lembrete, não é boleto e nem guia de recolhimento.

Para efetuar o pagamento do IPVA 2012, basta contribuinte se dirigir a uma agência bancária credenciada, com o número do RENAVAM (Registro Nacional de Veículo Automotor), e efetuar o recolhimento no guichê de caixa, nos terminais de auto atendimento, pela internet ou débito agendado, ou outros canais oferecidos pela instituição bancária. A lista de bancos credenciados está disponível no site da Secretaria da Fazenda (www3.fazenda.sp.gov.br).

Confira a tabela:

Para carros

tabela-ipva-2012

Para caminhões

tabela-ipva-2012-caminhoes

VALORES - De acordo com o levantamento feito pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe),  houve queda nominal de 3,75% na tabela do IPVA 2012 (baseada nos preços de venda de veículos no varejo). A pesquisa da Fipe, baseada nos valores de mercado de setembro de 2011, identificou maior queda de preços de venda para motos e similares, que apresentaram recuo de 5,56%. Os automóveis usados tiveram redução de 3,34%, seguidos dos utilitários, com menos 3%.  Os preços de vendas de caminhões ficaram 1,87% mais baixos e os referentes a ônibus e microônibus fecharam 1,77% abaixo do valor apurado no ano anterior.  A tabela completa do IPVA 2012 poderá ser consultada no site da Secretaria da Fazenda (www.fazenda.sp.gov.br)

As alíquotas no imposto permanecem inalteradas. Os proprietários de veículos movidos a gasolina e os bicombustíveis recolherão 4% sobre o valor venal. No caso de veículos que utilizarem exclusivamente álcool, eletricidade ou gás, ainda que combinados entre si, a alíquota é de 3%. As picapes cabine dupla pagam 4%. Os utilitários (cabine simples), ônibus, microônibus e motocicletas recolhem 2% sobre o valor venal. Os caminhões pagam 1,5%.

SP: CET amplia fiscalização de respeito ao pedestre

Categorias: TODAS AS NOTÍCIAS, trânsito

 A partir desta segunda-feira, 19, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET)vai ampliar a campanha de fiscalização do respeito ao pedestre a todas as regiões da capital.

Os veículos que desrespeitarem o direito de quem transita a pé pela cidade podem ser punidos com multa de até R$ 191,53 e sete pontos na carteira de habilitação. É o caso da infração cometida por quem não espera os pedestres concluírem a travessia.

Segundo a CET, 2,4 mil marronzinhos passarão a monitorar, principalmente, centros comerciais de bairros e corredores de ônibus. Haverá 633 orientadores de rua auxiliando em cruzamentos de grandes vias e nos arredores de estações de metrô. Outros 136 profissionais vão ser incorporados à equipe de apoio à fiscalização durante esta semana.

A campanha começou no centro da cidade, em 8 de agosto, No primeiro mês, foram aplicadas 10.266 multas. Segundo a CET, já houve um crescimento de 10% para 25%, entre julho e agosto, do respeito dos motoristas pelos pedestres nas travessias.

Promotoria quer derrubar 141 mil multas por inspeção veicular em SP

Categorias: Inspeção veicular, TODAS AS NOTÍCIAS

O Ministério Público Estadual (MPE) contesta a legalidade e quer derrubar a multa de R$ 550 aplicada pela Prefeitura de São Paulo aos motoristas que não fazem a inspeção veicular. Desde 6 de dezembro, radares escondidos pela cidade multam carros flagrados em situação irregular. Em sete meses, a Prefeitura aplicou 141,7 mil autuações ambientais por causa da inspeção ou uma multa a cada dois minutos na cidade.

Do jeito que a Prefeitura multa atualmente, os motoristas pagam mais do que deveriam (R$ 550), mas seus veículos não ficam apreendidos, continuando a poluir a cidade. O MPE defende que exista a multa, mas que seja a definida pelo Código Brasileiro de Trânsito (CTB): cinco pontos na carteira, R$ 127 e carro apreendido para regularização.

A Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e Social de São Paulo quer ainda que todos os motoristas que pagaram a multa sejam ressarcidos pela Prefeitura. Somadas, as autuações chegam a R$ 77,9 milhões. A promotoria enviou notificação à Secretaria Municipal dos Transportes em 2 de julho, alertando-a sobre a ilegalidade das autuações. A pasta informou que vai prestar “todos os esclarecimentos ao
MPE”

Caso a Prefeitura mantenha as multas, a promotoria deve questioná-las na Justiça. A ameaça que paira sobre as autuações é mais um imbróglio envolvendo a inspeção veicular na capital. O Estado revelou em agosto estudo da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo (Fipe) que mostrou desequilíbrio econômico no contrato entre Controlar -concessionária do serviço - e Prefeitura. Para resolver o problema, a tarifa atual teria de ser reduzida de R$ 61,98 para R$ 49,30, medida defendida  pelo prefeito Gilberto Kassab (sem partido).

ILEGAIS -  Na notificação assinada pelo promotor Roberto Antonio de Almeida Costa, o MPE afirma que a legislação municipal em que se baseia a multa de inspeção é inválida desde 1998, quando foi sancionado o CTB. A primeira lei municipal que trata de inspeção veicular é a 12.157, do ex-prefeito Paulo Maluf, aprovada em 1996. Essa norma criou a multa municipal para quem circula com carros em certificação ambiental. O MPE, porém, entende que ela foi revogada com a sanção do CTB - lei federal que “tratou da matéria de forma integral”, não sobrando espaço para o município criar punições.

Assim, toda a legislação municipal posterior sobre o tema também seria ilegal - entre elas, a lei de 2008, de autoria de Kassab, que determinou a multa de R$ 550, um decreto e uma portaria de 2010 que estabelecem as normas de fiscalização.

LEIA MAIS:

Preço da inspeção veicular vai ficar mais barato




Copyright © 2014 ZAP.
Todos os direitos reservados. v2.0